Street Fighter

Street Fighter é uma franquia que está há de 33 anos no mercado nacional, e ainda conquistam fãs espalhados pelo mundo. Muito se contesta pelo andar da carruagem as expectativas vigentes, mas, é certo que, a sua história ainda permanece mais viva do que nunca, principalmente pelo fato de que suas concorrentes ainda tentarem se remodelar no mundo atual.

Por passar diretamente entre vilas e toda a história do Japão, a criação do Street Fighter se baseia muito nestas perspectivas, e apresentam um documento histórico que vale a pena conferir. Por isso, que normalmente quem zera a primeira vez, tem sede para continuar entendendo melhor das histórias e demais atualizações que o jogo ainda tem nos dias atuais.

Para quem não conhece, Street Fighter teve sua origem no Japão em 1987, com o intuito de dar profundidade aos jogos virtuais de luta, tipo mais visado e aclamado por este povo. Sabendo disso, o estouro dentro do país local proporcionou que essa franquia espalhasse pelo mundo e conquistasse tantos admiradores nessas três décadas de existência. Para entendermos melhor seu funcionamento, vamos explicar seus personagens:

                                              Ryu

Um dos personagens que é figurinha carimbada para qualquer luta que fosse fazer contra seu opositor. Sua história, por exemplo, é um processo de vida e de meritocracia, pois, um viajante como ele precisava conseguir ser o melhor e continuar tentando ser o destaque de seu país. No entanto, como em todos jogos japoneses há sempre uma história de vida por trás de toda conquista. Por isso, sempre no final existe um chefão que tem habilidades muito melhores do que o próprio Ryu para avaliar a sua capacidade e conhecimento que precisam passar por constantes mudanças.

                                          Chun-Li

Uma das figuras femininas que demonstram também muita perspectiva e fundamentação para os jogos de luta. Sua qualidade técnica é algo impressionante que permitem uma locomoção e habilidades que podem deixar seu oponente bastante confuso, devido aos combos que essa personagem permite.

                                            Cammy

Outra personagem feminina é basicamente desenvolvida em mobilidade, e buscam atingir outros benefícios como as estratégias de acordo com o seu oponente, deixando a luta mais emocionante para ser vista e jogada.

                              Desafios do Street Fight 

Sabendo dessas voltagens, os personagens e toda sua estrutura que existe por volta de todas edições já impostas desde a sua criação em 1976, é continuar atingindo novos públicos, mas, acompanhando a modernidade e adaptável as novas plataformas.

É preciso, portanto, fazer uma releitura que interage o jogo com o público, tornando mais reconhecida dos jogos de ação que ele por si só representa. Sabendo desta instância, atentar também as concorrentes do ramo como Mortal Kombat e Dragon Ball-Z, quais inovações, mobilidade e qual construção pode ser aplicada para não torna-lo sem graça.

Em tempos de pandemia, é preciso atentar nestas pequenas coisas, e investir justamente neste detalhe para que jovens ou pessoas que gostam de jogos eletrônicos tenham a mesma experiência de décadas atrás, sob o ponto de vista de um novo olhar.

É preciso atentar nos mínimos detalhes, para que o Street Fighter continue revigorando e modernizando de acordo com o seu público, mas, buscando novos mercados e possibilidades para continuar com o mesmo sucesso que ocorreu pelo enredo e tema proposto desde a sua criação.


                                                                                             Texto por: Thalles C.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.