Johnny Cash: o Homem de Preto

John Ray Cash, mais conhecido como Johnny Cash, nascido em 1932, em Arkansas nos Estados Unidos, se tornou um dos mais influentes músicos do século XX. Cash foi considerado, por muitos, o rei da música country e um símbolo deste gênero musical.

A paixão de Johnny eram as músicas gospel, blues, folk e country tocadas na rádio em sua juventude. Assim, desde jovem, Cash sempre manteve um amor pela música e, então, aos 12 anos começou a fazer suas composições e cantar as próprias músicas.

Nos anos 50, Johnny Cash passou a ganhar mais reconhecimento na música ao lançar os hits “Cry! Cry! Cry! e “Hey Porter”, e em 1959 assinou contrato com a famosa gravadora americana Columbia Records, que alavancou e consolidou a carreira e voz de Johnny nas vertentes do country.

No entanto, ao mesmo tempo em que Johnny experimentava o prazer do sucesso, o vício em drogas e remédios controlados o tomou conta. As drogas provocaram ao cantor grandes confusões, como o seu divórcio, mas não deixaram de afetar a sua criatividade e talento para compor mais hits.

No início dos anos 70, Cash decidiu que seria hora de largar as drogas e, com ajuda dos amigos e a parceira June Carter – que se tornou sua esposa logo depois – conseguiu se recuperar. E a partir deste momento, Johnny retomou a estabilidade do sucesso.

No começo da carreira musical de Johnny, o jovem usava apenas camisetas pretas e básicas em seus shows, e este estilo foi perpetuado até em sua época de ouro. Então, ainda nos anos 50 e 60 – em sua ascensão musical – Cash vestia ternos pretos acompanhados de gravatas da mesma cor e, por este motivo, o tom preto se tornou algo impossível de se desvincular a imagem de Johnny Cash. Neste contexto, por adotar um estilo com roupas escuras, o rei do country passou a ser conhecido, também, como o “Homem de Preto”. E, então, como forma de simbolismo, Johnny lançou, em 1971, a música “Man in Black” (Homem de Preto) em um disco com o mesmo nome, marcando outro sucesso e criando o alter-ego do cantor country.

Após o sucesso “Man in Black”, a carreira de Cash passou por altos e baixos, e somente nos anos 90 que uma nova guinada aconteceu. Em 1994, o cantou gravou o álbum American Recordings e em 1996 lançou Unchained, que conquistou o Grammy de “Melhor Álbum Country”.

Em 15 de maio de 2003, sua esposa June Carter faleceu, aos 73 anos, por complicações em uma cirurgia do coração. Após 4 meses, Cash faleceu, no dia 12 de setembro de 2003, aos 71 anos, por problemas de diabetes e outras doenças. Johnny Cash teve seu enterro no dia 15, no mesmo lugar onde foi o de sua esposa, no Tennessee.

Johnny Cash, o Homem de Preto, com sua carreira memorável, tornou-se um verdadeiro rei do country, honrando o título dado a ele com mais de 90 milhões de discos vendidos pelo mundo.

Texto por Priscila

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.